Página Inicial
Sobre ElofarMedicamentosImprensaTrabalhe no ElofarFale Conosco
FacebookYoutube
  SAC 0800 600 1344 Aumentar a fonte  Voltar ao tamanho padrão  Diminuir a fonte
NOTÍCIAS   PÁGINA INICIAL
29/03/18

ARTIGO: Saúde mental: vamos avançar mais

Após meses de debate, a Comissão Intergestores Tripartite (CIT), que reúne o Ministério da Saúde, estados e municípios, anunciou uma série de medidas para fortalecer esse atendimento no SUS

A construção de uma rede de assistência segura e humanizada às pessoas com transtornos mentais é um processo contínuo. Foram muitas as conquistas alcançadas até aqui, mas o Brasil pode avançar mais. Após meses de debate, a Comissão Intergestores Tripartite (CIT), que reúne o Ministério da Saúde, estados e municípios, anunciou uma série de medidas para fortalecer esse atendimento no SUS. A iniciativa reafirma o compromisso com os progressos das últimas décadas e, principalmente, enfrenta os desafios já conhecidos por gestores, especialistas e familiares. Vamos cuidar para que todos os pacientes, dos casos menos complexos aos mais graves, tenham acesso a tratamento efetivo.


Para expandir e qualificar a Rede de Atenção Psicossocial, serão destinados pelo governo federal adicional de R$ 320 milhões por ano, totalizando R$ 1,6 bilhão. As ações foram construídas conjuntamente e pactuadas na CIT após debates com representantes dos estados e municípios, responsáveis por acompanhar lá na ponta o atendimento. Mais de 60 entidades, inclusive o Conselho Federal de Medicina, a Associação Brasileira de Psiquiatria e outras associações, muitas delas formadas por pacientes e familiares, conhecedores da realidade da rede de saúde mental do Brasil, manifestaram apoio às medidas.

Um dos principais pilares é a expansão das residências terapêuticas, serviços voltados a reinserção social dos pacientes e fundamentais para a desospitalização dos que moram em hospitais psiquiátricos. Foram liberados recursos para custeio de 92 unidades em 2017 e mais 200 para este ano, além da ampliação de mais 83 Caps (Centro de Atendimento Psicossocial) e unidades de acolhimento, essenciais para a oferta de tratamento em serviços de base comunitária.

Outro ponto é levar o poder público às áreas de maior risco e promover o atendimento mais próximo do cidadão: será criada nova modalidade de Caps para funcionar 24 horas perto das cracolândias e 100 equipes especializadas para atuar integrada às unidades básicas de saúde, na prestação de serviços ambulatoriais.

Também estamos enfrentando um grave problema: a falta de leitos e atendimento qualificado nos hospitais. De imediato, o Ministério da Saúde passará a financiar mais 140 leitos em hospitais gerais e, a partir de agora, nesses estabelecimentos será exigida a presença de uma equipe multiprofissional em enfermarias especializadas. É importante destacar que está vedada a ampliação e criação de leitos em hospitais psiquiátricos, sendo que, após nove anos, o valor pago a essas unidades será atualizado, medida que visa garantir o atendimento adequado com internações breves indicadas apenas em casos agudos.

Sobre as comunidades terapêuticas, de apoio à recuperação de usuários de drogas, será criado um grupo interministerial, com Justiça, Trabalho e Desenvolvimento Social, para estabelecer critérios para o funcionamento e financiamento dessas unidades. Precisamos construir um consenso sobre o assunto e garantir o acompanhamento público dos serviços aos pacientes e às famílias que recorrem a essas instituições.

Todas as medidas atendem a anseios de movimentos sociais, aos desafios enfrentados diariamente por profissionais e às necessidades apontadas em um diagnóstico inédito feito pelo Ministério da Saúde. Entre as inconsistências identificadas estão serviços inexistentes recebendo financiamento, subnotificação nos registros de atendimento, baixa ocupação de leitos em hospitais gerais (cerca de 15%) e pacientes que já faleceram e recebiam benefícios do Programa De Volta Para Casa. Tanto que, junto com as ações de expansão e qualificação, vamos aprimorar o monitoramento e acompanhamento da política, bem como estabelecer diretrizes e protocolos de assistência.

Assim, as novas ações ocorrem em defesa do SUS, do cidadão e de seu direito a  atendimento efetivo, humano e de qualidade em saúde mental. O SUS vai continuar privilegiando a oferta de tratamento em serviços de base comunitária, não haverá retrocesso, mas o aprimoramento do modelo. Tenho certeza de que, com essas medidas, avançaremos na reinserção social do indivíduo com transtorno mental, para que ele retorne ao convívio da família.

 

Ricardo Barros é Ministro da Saúde
Quirino Cordeiro Junior é Coordenador-geral de saúde mental, álcool e outras drogas



Fonte: Correio Braziliense - Autores: Ricardo Barros e Quirino Cordeiro Junior
[+] notícias
 
voltar página
 
   
Conheça os produtos que compõem o portifólio de medicamentos do Elofar para diferentes classes terapêuticas.
ver medicamentos
 
Faça uma leitura online de Elofar Vida e viaje por diferentes assuntos, que vão desde conteúdos técnico-científicos a matérias de interesse geral.
edição do mês edições anteriores
       
 
Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda.
Rua Aracy Vaz Callado, 612 - Estreito - Florianópolis-SC Cep: 88070-750
Fone: (48) 3027-1344   Fax: (48) 3027-1099   Sac: 0800-600-1344