Página Inicial
Sobre ElofarMedicamentosImprensaTrabalhe no ElofarFale Conosco
FacebookYoutube
  SAC 0800 600 1344 Aumentar a fonte  Voltar ao tamanho padrão  Diminuir a fonte
DESTAQUES   PÁGINA INICIAL
02/10/17

Outubro rosa: tudo o que você precisa saber para prevenir, diagnosticar e tratar o câncer de mama

Descoberto em estágio inicial, o câncer de mama tem cura quase certa – o sucesso do tratamento chega a 90% . Entenda o por que a prevenção é fundamental na luta contra a doença

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Mastologia, a doença afeta 1 em cada 15 mulheres brasileiras. A notícia é boa: os avanços no diagnóstico e tratamento do câncer de mama elevaram as chances de cura para 90% quando descoberto no início. O problema: no Brasil, a mortalidade continua alta porque 30% dos casos são diagnosticados em estágios mais avançados, quando o índice de cura é baixo. Além disso, há cerca de 12 mil mortes de mulheres todos os anos no país em decorrência da doença – o equivalente a 2,5% das mortes femininas no Brasil. O principal método de diagnóstico precoce ainda é a mamografia, radiografia das mamas (o que reforça a importância de sempre fazer o exame anualmente). Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), para o ano de 2015, a estimativa é que mais de 57 mil novos casos de câncer de mama sejam descobertos no nosso país, o que corresponde a 156 casos novos a cada dia. Mundialmente, este é o segundo tipo mais frequente de tumor entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano.

Confira abaixo um guia (preparado com muito carinho) com tudo o que você precisa saber para prevenir, diagnosticar e tratar a doença.


Entenda o movimento

A campanha Outubro Rosa nasceu em Nova York em 1991, com uma corrida pela cura do câncer de mama. Aos poucos, a ideia ganhou o país e vários estados passaram a promover ações isoladas referente a mamografia no mês de outubro. Com a aprovação do Congresso Americano o mês de Outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama. Com o passar dos anos, a popularidade do Outubro Rosa alcançou o mundo inteiro. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. A primeira iniciativa vista no Brasil foi em 2002, com a iluminação em rosa do monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista (mais conhecido como o Obelisco do Ibirapuera), situado em São Paulo.

A prevenção

Sem dúvidas, a detecção precoce salva vidas. O ideal é identificar o tumor quando ele ainda não é palpável, o que aumenta a chance de cura. Outras vantagens de detectar o câncer logo cedo é fazer uma cirurgia e um tratamento menos agressivos – ou seja, pode não ser necessário retirar a mama ou até fazer quimioterapia.
Exame clínico

A partir da primeira menstruação, as mulheres devem visitar o médico ginecologista pelo menos uma vez por ano. Ele passará orientações a respeito dos exames ginecológicos necessários de acordo com a idade, histórico familiar ou sintomas. Durante a consulta, ele realizará exames clínicos nas mamas e axilas para checar se há algum caroço ou alteração na pele que possa indicar algum problema.
Mamografia

A mamografia nada mais é do que um Raio-X das mamas, com uma radiação baixa que não causa efeito colateral algum quando realizado na periodicidade e faixa etária adequada. O câncer de mama atinge principalmente mulheres entre 50 e 60 anos. Ainda assim, a recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia, da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia e do Colégio Brasileiro de Radiologia, é de que a mamografia seja realizada uma vez por ano a partir dos 40 anos. “A partir dessa faixa etária e, principalmente, depois dos 50 é quando há mais risco de desenvolver a doença”, explica o médico Afonso Nazário, chefe da disciplina de mastologista da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Segundo o presidente da SBM, Dr. Ruffo de Freitas Junior, muitas mulheres têm medo de fazê-lo por medo da dor ou de encontrar um câncer. Isso deve ser desmistificado! “A mulher precisa ser estimulada para essa rotina”, ele afirma. Quem está no grupo de alto risco (que tem casos de câncer de mama na família) precisa começar dez anos antes da idade em que o tumor se manifestou na parente próxima. A mamografia é recomendada em qualquer idade diante de sintomas como aparecimento de caroço ou área endurecida no seio ou na axila (diferente do que pode ser de costume no período pré-menstrual), região mais quente, inchada ou escura na mama; dor contínua em alguma parte da mama, mudança no formato ou no tamanho da mama, vermelhidão, coceira ou descamação do mamilo; secreção que inicia de repente no mamilo; inversão do mamilo (quando o bico se volta para dentro, ao contrário do que era antes); surgimento de nodulação ou caroço anormal; enrugamento da pele.

De acordo com Sociedade Brasileira de Mastologia, hoje, há mamógrafos suficientes no país, no entanto eles são mal distribuídos – a maioria está nas grandes cidades e capitais, deixando boa parte da população do interior e de pequenas cidades descoberta, com impossibilidade de fazer o exame de maneira rápida. Dados recentes mostram que a mortalidade por câncer de mama está aumentando no interior de vários estados, diferentemente das capitais. Em Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife a mortalidade começa a cair. Já no interior, há falta de mamógrafos e de estrutura. A Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que o maior número de mamografias foi realizado por mulheres brancas (66,2%) e com superior completo (80,9%). Já as mulheres negras (54,2%), pardas (52,9%), e com fundamental incompleto (50,9%) foram as que menos fizeram. A Região Norte registrou a menor proporção de mulheres que haviam feito o exame (38,7%), seguida das regiões Nordeste (47,9%), Centro-Oeste (55,6%), Sul (64,5%) e Sudeste (67,9%).

Autoexame

As mulheres podem, em casa, fazer o autoexame com cuidado, preferencialmente uma vez por mês, sempre a partir do final da menstruação ou, na menopausa, em um dia específico do mês. É  importante que as mulheres estejam atentas ao seu corpo e ao sinal de qualquer tipo de alteração, sendo então importante comunicar ao médico. Lembre-se: o autoconhecimento não substitui o exame clínico realizado pelo médico ou a mamografia. Tumores em estágio inicial não costumam apresentar sintomas. Mais: eles só se tornam sensíveis ao toque numa fase posterior. Então, repita conosco: só o autoexame não basta!

Como fazer:

    Diante do espelho, em pé e com os braços soltos ao longo do corpo, observe o bico dos seios e a aréola. Veja se há retração ou mudança na cor da pele, da superfície ou do contorno da mama.
    Levante os braços acima da cabeça e observe se há retração na pele da mama ou do mamilo.
    Deitada, coloque um travesseiro sob o ombro direito, ponha o braço direito atrás da cabeça e, com a mão esquerda, apalpe a mama direita.
    Em movimentos circulares suaves, aperte toda a mama com a ponta dos três dedos médios juntos, sem tirá-los da pele, para sentir se há nódulos ou endurecimentos. O movimento da mão deve ser leve e de cima para baixo. Revise também embaixo das axilas.
    Repita os movimentos apalpando a mama esquerda com a mão direita. O autoexame pode ser feito durante o banho, com as mãos ensaboadas. Sentiu algo errado. E agora? Se você percebeu um nódulo, é hora de calma e prudência. Ligue para o médico e marque sua consulta para poder fazer a mamografia.

Hábitos Saudáveis

É comprovado: dieta saudável e atividades físicas podem evitar 28% dos casos de câncer de mama. Com algumas dicas simples, você pode mudar sua rotina. Veja só:

    Cerca de 30 minutos diários de caminhada, por exemplo, ajudam a manter o corpo ativo.
    Seguir uma dieta balanceada, rica em vitamina A (Caroteno ou Retinol) com pouca gordura, muitas frutas e legumes só traz benefício para as mulheres.
    A vitamina A é responsável pela defesa imunológica do organismo e atua na proteção contra doenças infecciosas. É encontrada naturalmente em diversos alimentos, como frutas, verduras e fígado. Frutas: melão, damasco, papaia, manga. Vegetais: cenoura, brócolis, batata-doce, couve, espinafre, abóbora, ervilha, beterraba. Outras fontes de vitamina A: fígado (maior fonte), manteiga e ovos.
    O controle de peso, principalmente após a menopausa, é aliado para evitar o câncer de mama.
    Evitar álcool e cigarro. O consumo de dois cálices de bebidas alcoólicas ao dia aumenta o risco relativo do câncer.

Quando o câncer é detectado

O tratamento adequado é parte fundamental das ações de controle da doença. Atraso superior a três meses entre o diagnóstico e o início do tratamento podem comprometer a vida da paciente. Habitualmente, o tratamento envolve quimioterapia (hormonioterapia) e radioterapia, além da cirurgia. O tipo de tratamento é decidido pelo mastologista baseado no grau de evolução da doença. Quando o tumor é pequeno, normalmente preserva-se parte da mama (quadrantectomia), complementando o tratamento cirúrgico com radioterapia. Quando a mulher já apresenta os linfonodos com câncer (metástase), além do tratamento cirúrgico (radioterápico), adiciona-se a quimioterapia.

O apoio de um nutricionista é importante, já que a alimentação adequada auxilia o organismo a suportar o tratamento. Além disso, é recomendado que a paciente visite o dentista antes de começar a quimioterapia, pois a saúde bucal é fundamental para não ter complicações com a quimioterapia, que pode diminuir as defesas do corpo. Fazer exercícios físicos e mentais, como caminhar, ler livros e ver bons filmes, também podem ajudar muito – todos esses itens estimulam o sistema imunológico.

Durante todas as etapas, a paciente deve ter apoio de um psicólogo, de um psico-oncologista ou até mesmo grupos de ajuda sobre a doença. As redes femininas de combate ao câncer de mama e associadas FEMAMA (Federação Brasileira de Instituições Filantópicas de apoio a Saúde da Mama) que estão presentes em muitos municípios brasileiros oferecem estes serviços.

Um pós mais tranquilo

Tórax mutilado, braços inchados, muito sofrimento: assim era a realidade das mulheres submetidas a cirurgias de remoção do câncer de mama até uma geração atrás. Com a detecção precoce, as cirurgias tornaram-se menores, atendo-se muitas vezes a apenas um quadrante. 
Reconstrução mamária

As pacientes com câncer de mama que tiveram a mama retirada total ou parcialmente por conta do tratamento têm direito, amparado por Lei, de realizar cirurgia plástica reparadora. De acordo com a advogada Gabriella Guerra, especialista em Direito à Saúde, isso se aplica tanto a atendimentos públicos quanto privados. “Caso existam condições técnicas e clínicas, a cirurgia deverá ocorrer no mesmo ato cirúrgico da mastectomia (retirada da mama)”, a profissional explica. Entretanto, embora a reconstrução mamária tenha aumentado no período de 2008 a 2014, de 15% para 29,2%, cerca de 7,6 mil mulheres tratadas pelo SUS em 2014 não puderam ser beneficiadas pela lei.

Conhecido como Casa da Mama, o ambulatório de Mastologia do Hospital São Paulo, voltado para o atendimento de pacientes com câncer de mama iniciou, em maio deste ano, um trabalho que busca devolver a autoestima a pacientes que passaram pelo processo de tratamento do câncer e de reconstrução da mama: o Projeto Cereja. “Ele consiste na reconstrução da aréola da paciente por meio da tatuagem, uma medida que faz com que a mulher reconheça novamente sua mama, desenvolvendo sua confiança após um procedimento tão delicado. Como essa é a última etapa do processo, literalmente é a cereja do bolo”, afirma Simone Elias, Coordenadora do ambulatório.


Direitos

Além da Lei nº 12.802, que estabelece a reconstrução mamária como procedimento obrigatório no mesmo ato no qual foram retiradas as mamas, as pacientes têm outros direitos assegurados pelas nossas leis, como:

- Amparo assistencial ao idoso e ao deficiente (LOAS – Lei Orgânica de Assistência Social): o benefício também se aplica à mulher que teve a mama retirada parcial ou integralmente e que esteja incapacitada de trabalhar. Para isso, é preciso atender a algumas exigências. “O critério fundamental é de que a renda familiar seja inferior a um quarto do salário mínimo”, advogada Gabriella Guerra.
   
- Aposentadoria por invalidez e auxílio-doença: as mulheres que sofrem com o câncer de mama e estão inscritas no Regime Geral de Previdência Social (INSS), independentemente do pagamento de 12 contribuições, têm direito à aposentadoria por invalidez. O benefício, no entanto, é concedido à paciente desde que “sua incapacidade para o trabalho seja considerada definitiva pela perícia médica do INSS”. Para aquelas que são consideradas temporariamente incapazes para o trabalho por conta do câncer, é possível recorrer ao auxílio-doença. Neste caso, também é preciso estar inscrita no INSS. O benefício mensal é concedido quando ela fica impossibilitada de trabalhar por mais de 15 dias consecutivos. 

- FGTS: os pacientes com câncer têm direito é o de sacar o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

- Isenção de impostos: os portadores de câncer também têm direito a algumas isenções de impostos. Estão isentos, por exemplo, do imposto de renda relativo aos rendimentos de aposentadoria, reforma e pensão, inclusive as complementações. 

- PIS: os portadores de câncer e seus dependentes têm direito assegurado de realizar saque do PIS, na Caixa Econômica Federal (CEF). O direito garante o recebimento do saldo total de quotas e rendimentos. Quitação do financiamento da casa própria.

- Transporte coletivo gratuito: o direito dos pacientes com câncer ao transporte coletivo gratuito está restrito a alguns municípios. Para ter mais informações, basta acessar o site do Inca (Instituto Nacional do Câncer).

Futuro

A expectativa é que a doença seja controlada no futuro. Para isso, as maiores apostas devem ser o tratamento personalizado e a vacina. A primeira, já mostrou resultados. Testes capazes de determinar o risco de recidiva da doença foram desenvolvidos nos anos 2000. A partir de tal análise, o médico consegue determinar o tipo de tratamento mais adequado para cada paciente. Os testes mais conhecidos são o MammaPrint, que avalia setenta genes do tumor, e o Oncotype, com 21 genes. Já as vacinas estão sendo estudadas e devem estimular o sistema imunológico a destruir uma proteína encontrada na maior parte dos nódulos malignos dos seios. Também há drogas modernas para combater o problema. Da atual safra de fármacos, o primeiro é o trastuzumabe, que ataca uma substância encontrada numa das formas mais agressivas do tumor de mama. Nos demais medicamentos em teste, a resposta ainda está abaixo do esperado. Grupos de estudiosos  também investem na investigação de novas possibilidades de detecção. Uma equipe da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, está desenvolvendo um exame para identificar na urina indícios da doença. Mas, enquanto isso, o maior aliado da ciência ainda é o diagnóstico precoce.

Fontes: Instituto Avon – organizaação que coordena, desde 2003, as ações de investimento social da Avon no Brasil, por meio das campanhas “Avon Contra o Câncer de Mama” / Sociedade Brasileira de Mastologia / Organização Mundial de Saúde (OMS)/ FEMAMA (Federação Brasileira de Instituições Filantópicas de apoio a Saúde da Mama) / Matéria com conteúdo da revista CLAUDIA.



Fonte: Revista Cláudia
[+] destaques
 
voltar página
 
   
Conheça os produtos que compõem o portifólio de medicamentos do Elofar para diferentes classes terapêuticas.
ver medicamentos
 
Faça uma leitura online de Elofar Vida e viaje por diferentes assuntos, que vão desde conteúdos técnico-científicos a matérias de interesse geral.
edição do mês edições anteriores
       
 
Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda.
Rua Aracy Vaz Callado, 612 - Estreito - Florianópolis-SC Cep: 88070-750
Fone: (48) 3027-1344   Fax: (48) 3027-1099   Sac: 0800-600-1344